sexta-feira, 28 de março de 2014

Resenha - Onde a Lua e a Montanha se encontram


Onde a Lua e a Montanha Se Encontram - Lin, Grace - ISBN: 9788516079819Título: Onde a lua e a montanha se encontram.
Autora: Grace Lin.
Editora: Moderna.
Páginas: 272.

No Vale da Montanha Infrutífera, uma garotinha chamada Minli passa os dias no campo trabalhando pesado, e as noites, ouvindo o pai contar as fantásticas histórias sobre a Dragoa de Jade e o Velho Homem da Lua. A mãe de Minli, cansada da vida pobre, pede a ela que não encha sua cabeça com tolices. Mas Minli acredita nessas histórias e sai em busca do Velho Homem da Lua, na esperança de que ele possa mudar a sorte de sua família. Ao longo do caminho, ela encontra toda espécie de criaturas mágicas, incluindo um dragão que a acompanha em sua extraordinária jornada.

     "Onde a Lua e a Montanha se encontram" narra a história de Minli, uma menina chinesa que vive em um vilarejo pobre e trabalha numa plantação de arroz. Sua única forma de fugir da vida difícil é por ouvir as lendas que seu pai contava e sonhar com elas.



    Entretanto, Minli fica cada vez mais triste com a situação financeira de sua família e decide mudar isso. Com as instruções de um peixinho dourado falante e a ajuda de um dragão chamado Dragão que não sabe voar, ela vai atrás do Velho Homem da Lua, que parece ser o único homem que pode responder todas as perguntas de Minli.



Não conhecia esse livro até ganhá-lo da escola.
É um livro infanto-juvenil que conta um pouco sobre a cultura oriental. O livro é cheio de fábulas; aquelas histórias mirabolantes que é impossível que sejam reais, mas que nos enchem de esperança.
O enredo me lembrou um pouco "O Mágico de Oz", de Baum, com algumas exceções, é claro, do plano em que a história se passa.
Um livro curtinho, divertido e tocante, que nos faz pensar na importância da relação com amigos e família e de nunca desistir dos sonhos.


 E aí, ficou com vontade de ler? :) 


quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Endless Night

Arrumando a mala hoje pela manhã eu vi um livro que me conquistou, “Endless Night”, no Brasil, “Noite sem fim”, um livro escrito por Agatha Christie, publicado em 1967 que eu comprei usado numa pequena cidade chamada Euchuca, uma cidade histórica, situada no estado de Victoria, Austrália, que faz divisa com New South Wales. Livros fazem isso comigo, eles guardam lembranças, dos lugares em que estive enquanto os lia, onde os comprei, onde os ganhei, o que eu senti ao lê-los... Cada vez que os revejo é uma nova viagem.
Quando eu era mais nova eu não gostava de livros de segunda mão, hoje eu gosto, eles possuem uma história, alguns têm dedicatórias, velhos marcadores. Pequenas anotações. marcas de café.  Pela forma como o recebe percebe- se se a pessoa o levou para todo o canto, se o lia apenas em casa em cima de uma escrivaninha, se não o lia at all.
Voltando ao livro(!), Endless Night não é um dos títulos mais conhecidos da Agatha, ele não contem seus detetives mais conhecidos(Poirot e Marple), desde o inicio somos alertados de que esta não é uma historia de amor, e não é mesmo.  No inicio me identifico muito com a personagem do jovem Michael Rogers, algumas coisas que ele diz são extremamente tocantes, irei citar duas de suas falas favoritas do inicio do livro:
“I never stuck to anything. Why should I? I’d found nearly everything I did interesting. Some things were harder work than others but I didn’t really mind that. I´m not really lazy. I suppose what I really am is restless. I want to go everywhere, see everything, do everything. I want to find something. Yes, that´s it. I want to find something…
…Surely, I thought, in a world where man has been able to put satellites in the sky and where men talk big about visiting the stars, there must be something that rouses you, that makes your heart beat, that´s worth while searching all over the world to find…”
Traduzindo livremente:
“Eu nunca me prendo a nada. Por que eu deveria? Eu acharia quase tudo o que fiz interessante. Algumas coisas eram mais trabalhosas do que os outras, mas eu realmente não me importava. Eu não sou muito preguiçoso. Acho que o que eu realmente sou é inquieto. Eu quero ir a todos os lugares, ver tudo, fazer tudo. Eu quero encontrar algo. Sim, é isso. Eu quero encontrar algo.”
“Certamente, Eu pensei, em um mundo onde o homem foi capaz de colocar satélites no céu e onde os homens falam grandiosamente sobre a visita as estrelas, deve haver algo que o desperte, que faça seu coração bater, que valha a pena procurar por todo mundo para encontrá-la...”

Acho que foi este “Eu quero encontrar algo” que me conquistou, porque de fato todos nós estamos à procura de algo, algo que nos complete. Endless Night mostra como Michael encontra Ellie, e como ambos se apaixonam por Gipsy’s Acre.  Mas como todo o suspense de Agatha Christie, uma terrível morte acontece, e vamos conhecendo cada vez mais, estas interessantes personagens. Eu sei que não contei muito sobre o enredo, mas existem livros, que deveriam ser lidos sem sinopse profunda, para que possamos ser surpreendidos a cada minuto e assim foi como este livro para mim, uma surpresa fabulosa, mostrando que  Agatha é sim, “A rainha do Crime!” 

domingo, 2 de fevereiro de 2014

TAG: 7 Pecados Literários

Olá, leitores!
Hoje venho com o primeiro vídeo do blog! YAY! E trata-se de uma tag.

TAG: 7 Pecados Literários
1- Ganância: qual seu livro mais caro? E o menos caro?
2- Ira: com qual autor você tem uma relação de amor e ódio?
3- Gula: que livro você devorou sem vergonha alguma? 
4- Preguiça: qual livro você tem negligenciado devido à preguiça?
5- Orgulho: que livro tem mais orgulho de ter lido?
6- Luxúria: quais atributos você acha mais atraentes em personagem femininos e masculinos?
7- Inveja: que livros você gostaria de receber de presente?


E aí, qual é seu maior pecado literário?

quarta-feira, 29 de janeiro de 2014

Eu assisti - A menina que roubava livros


 
     "A menina que roubava livros" (The Book Thief), de Markus Zusak virou filme, e a estreia nacional será nesta sexta-feira, dia 31/01.
 
 
Sinopse

terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Resenha - O Pássaro


Título: O Pássaro.
Autora: Samanta Holtz.
Editora: Novos Talentos da Literatura Brasileira (Selo da Editora Novo Século).
Sinopse:

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

D.I.Y - Marcadores de origami (coração)

Ei, como vão?
Estamos todos sumidos, mas eu tenho a justificativa de estar em prova. (Tamiris e Ian, justifiquem-se!). 
Antes tarde do que nunca, aqui está o tutorial prometido! Esse é o primeiro D.I.Y ("do it yourself" - faça você mesmo) do blog, e também é o meu primeiro tutorial, então se alguma sair errado, já sabem rsrs. 
Vou ensinar dois tipos de marcadores de coração feito de origami. 
  • Materiais

terça-feira, 12 de novembro de 2013

Entrevista - Nana












Há um tempo atrás eu falei sobre a Nana. E pra quem não viu, é só clicar aqui.

Enfim, Nana foi uma fofa conosco e nos concedeu uma entrevista exclusiva.
Confira abaixo:


  • LC: Quando você começou a cantar e quando descobriu que era isso que você gosta de fazer?

N: Bom, eu sempre gostei de cantar e tocar (desde criança mesmo), mas acho que demorou para eu perceber que só queria fazer isso. Antes, estudei jornalismo, mas abandonei para estudar composição e me dedicar apenas à música.
 
  • LC: Você recebeu incentivo da sua família e amigos?

N: Sim! O mais importante é a gente passar a eles confiança e certeza de que esse é o caminho que a gente quer seguir. Como eu já tinha feito outra faculdade antes, acho que foi mais fácil para minha família perceber que "ok, eu tentei, mas não era o que eu queria". Todo mundo já sabia de minhas experiências com música, então isso deve ter ajudado também. A verdade é que tive muita sorte; a maioria dos meus amigos não teve suporte da família na hora de escolher fazer artes.
 
  • LC: O que inspira a você e a sua música? 

N: Acho que tudo o que me emociona de algum modo (o que não é muito difícil). As vezes é um filme, as vezes uma fotografia, uma cidade, uma pessoa, um bicho, uma folha de árvore. Eu tento ver beleza em cada coisinha.
 
  • LC: Explique por que escolheu o título "pequenas margaridas" para o seu álbum, o mesmo nome do filme de Vera Chytilová.

N: Quando estava compondo as músicas do álbum, eu percebi que todas tinham um pouco desse espírito feminino e independente do filme, e essas visões de liberdade, de consciência do eu, de transgressão, que permeiam Sedmikrasky, também fazem parte de minha arte. Fora que é um dos filmes mais lindos que já vi, o que me deixou bem fascinada por muitos meses.
 
  • LC: O que você gosta de fazer (além de compor e cantar haha)?

N: Minha irmã costuma dizer que eu passo o dia inteiro "cortando papel", porque gosto muito de fazer trabalhos manuais! Mas também gosto muito de cozinhar, de estudar idiomas (sério, é meu grande hobby) e de sair com meus amigos.

 
  • LC: Como você se imagina daqui a 5 anos?

N: Não sei, eu tento não imaginar muito. O que eu mais quero é conseguir viver só de música.

 
  • LC: Qual é a sua música favorita do seu álbum?

N: "As nuvens"! Sem dúvidas : )



Recadinho da Nana:
Quero convidá-los a visitar meu site www.pequenasmargaridas.com! Tem show dia 16/11 em Curitiba e 30/11 em São Paulo, e em breve lançarei mais um clipe! Mais detalhes em minha página no facebook www.facebook.com/ouvindonana.  ; )

Ouça as músicas da Nana aqui.






Acompanhe o blog nas redes sociais: