sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Playlist #3

Sexta é dia de música e a playlist de hoje não tem nada a ver com o clima, ou com qualquer outra coisa. É apenas porque eu amo essa imensidão azul, que esses dias me bateu saudade de admirar ...
(Porque o mar é sempre inspirador)





Músicas: 
Swimming | Florence + the Machine, 
Ana e o Mar | O Teatro Mágico, 
Fez-se Mar | Los Hermanos, 
Seaside | The Kooks,
 Swallowed In The Sea | Coldplay, 
The Waves | Matthew And The Atlas, 
Dois Barcos | Los Hermanos, 
Oceans | Coldplay, 
I'll Drown | Sóley, 
Crests of Waves | Coldplay, 
Cais | Mallu Magalhães.

sexta-feira, 11 de julho de 2014

Projeto "Cartas para Amélie" + Música


De novo, eu estava passeando pela internet. E, ultimamente, esses meus passeios têm me feito conhecer muitos blogs legais e cheios de conteúdo! Da última vez achei o Desafio PH Poem A Day, que participei! (Para saber mais, clique aqui). 
Dessa vez, achei um projeto lindo, chamado "Cartas para Amélie". 
O nome faz referência ao filme "O fabuloso destino de Amélie Poulain" (filme lindo ♥), que fala sobre a Amelie, apenas uma mulher que decide ajudar os outros e espalhar amor por aí.

"São tempos difíceis para os sonhadores"

O projeto criado por Donna, do blog Maybe Yellow, nasceu assim; com intuito de fazer o dia de alguém mais feliz!

 "A função do Cartas para Amelie vai além do que trocar cartas, conhecer pessoas espalhadas pelo mundo, receber mimos, aumentar a coleção de papel de cartas e blablablás. Vejo o projeto como na contra mão desse seguimento de cartas, o defino como uma intervenção social anônima, não precisa ser um participante para fazer as tarefas, escrever cartas, ou "perder" algumas delas. Quero infectar as pessoas com AMOR, seja enviando uma correspondência, uma ilustração ou qualquer coisa criativa que produza um pueril sorriso. Desejo que as pessoas comecem a pensar no próximo, e façam algo para mudar a cidade, o colégio, o mundo em que elas vivem, e por que não começar com um singelo bilhete ao desconhecido? - Donna


Você pode se inscrever no projeto clicando aqui, e/ou pode apenas seguir as tarefas (super legais):
(Clique nas tarefas para saber mais no blog Maybe Yellow).
Tarefa 1: Escrever 7 coisas sobre você e escolher alguém para mandar.
Tarefa 2: Mande uma foto sua quando criança e conte suas travessuras ou momento marcante da infância.
Tarefa 3: Gravar um CD com músicas que você goste ou que a pessoa que receberá vá gostar.
Tarefa 4: Escrever uma ou mais cartas e deixar em locais públicos os privados como bibliotecas, ônibus, banheiros, trem, etc.


Pra fechar o post, um vídeo de uma música que amo (porque não deu tempo para fazer a playlist). 

Mapa múndi - Thiago Pethit

Gostaram? Vão participar?

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Adaptações de Orgulho e Preconceito (Parte I)

Quase todo mundo conhece o clássico "Orgulho e Preconceito", de Jane Austen, mas será que você conhece também as adaptações da obra para as telinhas?


1940


A versão de 1940 foi a primeira adaptação de "Orgulho e Preconceito". O filme é americano, e foi dirigido por Robert Z. Leonard, o roteiro escrito por Jane Murfin, Helen Jerome e Aldous Huxley (autor de "Admirável mundo novo"), e teve Greer Garson (como Elizabeth) e Laurence Oliver (como Darcy) nos papéis principais.
O filme, em preto-e-branco, foi bem aceito na época e acabou ganhando o Oscar de Melhor Direção de Arte; porém, para os fãs de Jane Austen, há algumas críticas sobre características da adaptação como o óbvio erro de figurinos. (Pesquisando, descobri que o figurino foi reciclado do filme "E o vento levou...", sendo que este se passa nos EUA, em 1861, enquanto Orgulho e Preconceito, na Inglaterra, em 1797 ).


Assista ao trailer:

Para baixar, clique aqui. Para comprar, clique aqui.


1980


"Orgulho e Preconceito", de 1980, foi uma minissérie de 5 capítulos produzida pela BBC. Foi dirigida por Cyril Coke e roteiro por Fay Weldon. Elizabeth Bennet foi representada por Elizabeth Garvie e Mr. Darcy por David Rintoul.
A minissérie recebeu, em 1981, duas indicações ao BAFTA (Academia Britânica de Artes do Cinema e Televisão), de melhor figurino e melhor iluminação de TV.


Assista um trecho:

Para baixar, clique aqui. Para assistir online, clique aqui.


1995


A versão de 1995 é considerada uma das mais fiéis adaptações da obra. Produzido por Sue Birtwistle (BBC), a minissérie, de 6 capítulos, teve seu roteiro escrito por Andrew Davis e direção de Simon Langton.
A série ganhou dois Emmys e recebeu indicações ao BAFTA  por "Melhor Seriado de Drama", "Melhor Figurino", e "Melhor Make Up/Cabelo" em 1996. Jennifer Ehle (Elizabeth Bennet) ganhou o BAFTA como "Melhor Atriz", e Colin Firth (o Mr. Darcy preferido de 9 entre 10 fãs de Jane Austen), foi indicado como melhor ator também no BAFTA e ganhou na mesma categoria pelo Broadcasting Press Guild de 1996.

Assista a abertura:

Para baixar, clique aqui. Para comprar, clique aqui.


2005


É a adaptação mais linda visualmente falando. (O que são aquelas cenas ao ar livre? *0*) Teve o roteiro de Deborah Moggach, direção de Joe Wright (dirigiu "Desejo e Reparação", pré-produziu "Anna Karenina") e direção de fotografia de Roman Osin ("A Loja Mágica de Brinquedos").
Orgulho e Preconceito de 2005 foi muito bem aceito pela crítica e foi indicado ao Oscar nas categorias Melhor Atriz, Melhor Trilha Sonora, Melhor Direção de Arte, Melhor figurino, além de outras indicações no Globo de Ouro e no British Academy Film Awards.

Assista ao trailer:

Para baixar, clique aqui. Para comprar, clique aqui.



Quem aí conhecia essas adaptações? 
Na próxima semana teremos a parte II com as adaptações modernas do livro. ;)
PS.: EXISTEM OUTRAS ADAPTAÇÕES DE ORGULHO E PRECONCEITO, PORÉM DEMOS PRIORIDADE À ESSAS QUE ESTÃO DISPONÍVEIS PARA SEREM ASSISTIDAS.


sexta-feira, 27 de junho de 2014

As várias faces de Alice

Quem me conhece deve saber que uma das minhas histórias preferidas é "Alice no País das Maravilhas", de Lewis Carroll.
O livro, por ser um clássico da literatura infantil mundial, já recebeu várias versões e edições, com projetos gráficos dos mais diversos.
Confira:


     


Esses dois últimos são sonhos de consumo! rsrs


As capas abaixo não são oficiais, foram feitas por designers e ilustradores que deram um novo estilo ao livro, cada um com um toque diferente. Veja só!

Esses dois últimos foram meus favoritos 
E você, de quais gostou mais?

sexta-feira, 20 de junho de 2014

Playlist #2

A playlist de hoje tem com o tema "lugares". Alguns artistas e bandas escolhidas: Beirut, Coldplay, Kings of Convenience e Bon Iver.




quinta-feira, 19 de junho de 2014

Resenha - Óculos, aparelho e Rock 'n' Roll


Óculos, Aparelho e Rock’n'roll
Título: Óculos, aparelho e Rock 'n' Roll.
(Original: How to Rock braces and glasses).
Autora: Meg Haston.
Editora: Intrínseca.

Sinopse: Super-rigorosa e cheia de estilo, Kacey Simon dita as tendências na escola Marquette. Ela anda com as garotas mais bonitas e populares e tem seu próprio programa de TV no canal do colégio, dando conselhos e explicando para seus colegas a verdade nua e crua - quer eles queiram ouvir, quer não.
Mas então uma infecção ocular e uma visita ao dentista deixam Kacey com óculos fundo de garrafa, a boca cheia de metal e... a língua prefa. Rejeitada pelos amigos populares, ela despenca da pirâmide social de forma tão dramática que fica difícil enxergar o topo, mesmo com aquelas duas lentes de aumento no rosto.
Sem ter mais a quem recorrer, Kacey começa a andar com uma vizinha nerd e um garoto que leva a vida num ritmo próprio - na verdade, no ritmo do baterista de sua banda. Ele a quer como sua vocalista, mas ela está decidida a recuperar seu trono. Será que Kacey vai alcançar o topo novamente? Ou vai descobrir que chegar ao fundo do poço meio que é... o máximo? Nesse divertidíssimo romance, Meg Haston conta a história de uma garota malvada que, com um bom par de óculos, passa a enxergar melhor não só as coisas, mas também a vida.
O livro deu origem à série de tevê "How to Rock", recém-lançada pelo canal Nickelodeon.



Kacey está no sexto ano do Ensino Fundamental e é, sem dúvida, uma daquelas garotas mais chatas, esnobes e bonitas e populares da escola. É aquela garota que todos fazem esforços para serem iguais à ela, agradá-la e, consequentemente, serem aceitos em seu meio social.
Ela é tão influente na escola que tem até um programa no canal de TV da escola, onde ela dá "conselhos úteis" para seus colegas; seja de comportamento, pitacos em relacionamentos, moda, ou qualquer assunto que ela achar válido. E, muitas vezes, ela nem mesmo percebe que acaba magoando as pessoas à sua volta. :(


Mas seus dias de rainha da escola têm o fim quando ela precisa colocar aparelho e usar óculos. Agora quem é a "estranha" da escola é ela. Mesmo suas amigas - antes, inseparáveis - Molly, Nessa e Liv, acabam por excluí-la. Mas Kacey pretende fazer de tudo para voltar ao topo!

Porém, ela conhece um menino meio "hipster", de cabelos estranhos e que gosta de rock, que ira ajudá-la a ser uma pessoa melhor que antes.


O livro é narrado por dias, pela própria protagonista. E durante a leitura percebemos que a autora quer dar lições como "todo mundo é perfeito do jeito que é". 
A história é bem clichê e previsível, mas é um boa leitura pra quem gosta desse gênero de chick-lit. A leitura é bem rápida e divertida. E é bem adolescente.

A diagramação é ótima e a arte do livro é linda! (As folhas são amareladas :3)




Dou 2,5 estrelinhas de 5!

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Playlist #1

Decidi que toda sexta-feira farei uma playlist para a semana :) Essa é a primeira, com o tema "happy days". Dá pra imaginar que as músicas devem ser felizes, né? :P




Divirtam-se!